O Mundo das Ideias Corporativas

Gestao, Marketing, Tecnologia, Web 2.0 e Redes Sociais

INICIATIVA 2.0: PARA FACILITAR E INOVAR

Andrew McAfee

Andrew McAfee aposta que a colaboração coletiva é capaz de criar soluções para que se extraia o melhor do trabalho do conhecimento. Leia mais!

Em 2006, a revista MIT Sloan Management Review publicou uma série de artigos a respeito de como a tecnologia estava revolucionando a maneira de inovar. Um desses artigos foi assinado por Andrew McAfee, que cunhou, então, a expressão “Enterprise 2.0”. Pegou. Hoje, as pessoas costumam perguntar a McAfee: “Meu produto é 2.0?”. O conceito surgiu quando, finalmente, as tecnologias que eram consideradas novas – wikis e blogs, por exemplo– poderiam amarrar toda a empresa e facilitar o trabalho do conhecimento de maneira inédita.

À época, o pesquisador Thomas Davenport havia realizado estudos que indicavam alta insatisfação dos trabalhadores do conhecimento com os e-mails e as intranets. Esses meios não estavam captando o conhecimento adequadamente. Não se podia saber quem estava tentando solucionar um problema similar na empresa em nível mundial, para ajudar você a resolver o seu, ou quais eram as pessoas à frente de um determinado projeto do passado. Também seu trabalho não era amplamente divulgado, nem suas opiniões e capacidades. Faltava colaboração.

Restrito ao e-mail e à intranet, o trabalho do conhecimento ficava invisível. Mas as plataformas de geração, compartilhamento e aperfeiçoamento da informação, que já eram conhecidas dos usuários da web 2.0, felizmente passaram a ser aplicadas no mundo das empresas. Daí veio a inspiração para o livro Enterprise 2.0 – new collaborative tools for your organization’s toughest challenges, escrito por McAfee, que é diretor científico de pesquisa do núcleo de negócios digitais da Sloan School of Management do Massachusetts Institute of Technology (MIT).

 

Características da Empresa 2.0

Se você deseja saber se seu produto merece ser chamado de 2.0, pergunte-se se ele teve origem em um ambiente que possua os seguintes atributos:

  1. Formato livre, no qual as pessoas se reúnam como iguais e fazem o que quiserem na plataforma;
  2. Ausência de fricção, ou de dificuldades para participar e contribuir;
  3. Possibilidade de “surgimento, ao longo do tempo, de padrões e estruturas de alto nível que emerjam de um grande número de interações não planejadas e não direcionadas de baixo nível”, isto é, recursos como tagging e linking, que permitem que conteúdos alcancem o topo da lista.

McAffe usa o acrônimo SLATES para identificar os seis elementos das tecnologias da Empresa 2.0 que caracterizam um avanço em relação à intranet tradicional:

  • Search (“busca”) – é preciso encontrar o que se procura, o que nem sempre é fácil na intranet.
  • Links – nas empresas, as pessoas devem ter poder para criar links.
  • Authoring (“autoria”) – por meio de blogs e wikis, as pessoas satisfazem seu desejo de criar conteúdo; a intranet passa a ser constantemente atualizada pelo trabalho de muitos.
  • Tags (“rótulos”) – a classificação do conteúdo facilita o uso da intranet. As tags expressam as relações e estruturas de conteúdos que as pessoas usam;
  • Extensions (“extensões”) – são as relações do tipo “se você gosta disso, então gostará daquilo”, como faz a Amazon.com;
  • Signals (“avisos”) – alertas sobre a adição de novo conteúdo de interesse, como as mensagens tipo RSS.

O tempo passou e essas ferramentas foram difundidas em muitas empresas, principalmente porque não exigem habilidades especiais por parte dos usuários. No entanto, o principal é que a tecnologia 2.0 não impõe aos usuários quaisquer noções preconcebidas sobre como o trabalho deve se desenvolver ou como o resultado deve ser estruturado ou categorizado. Isso significa uma ruptura drástica.

Como começar

Não basta, porém, deixar que o ambiente se desenvolva automaticamente, mediante adesão massiva, como ocorre no mundo web externo à empresa. Os gestores têm de se certificar que a nova plataforma seja, de fato, utilizada. Darren Lennard, diretor-executivo do banco de investimento europeu Dresdner Kleinwort Wasserstein, por exemplo, cansado de receber centenas de e-mails por dia, sugeriu que sua equipe utilizasse os recursos wiki para trabalhar no texto da missão da empresa. Não funcionou. Era sua primeira tentativa de angariar adesões à nova tecnologia.

Em seguida, percebeu que tinha de ser mais direcionador. Comunicou que não mais leria e-mails relacionados a certos assuntos e ele próprio publicou conteúdo wiki sobre a pauta e as ações relacionadas a uma reunião, pedindo que as pessoas respondessem pelo wiki. “Você tem de dar às pessoas um início que elas possam modificar. Você não pode apenas dar a elas uma área de trabalho em branco e dizer ‘usem isso agora’”, diz ele.

Em seu livro, McAfee dá o exemplo de uma empresa de porte médio do setor gráfico. Frustrado com o problema de captação e compartilhamento de conhecimento na empresa, um dos seus diretores decidiu usar o wiki. Antes, porém, saiu para perguntar aos seus colegas: o que alguém deve saber no seu primeiro dia de trabalho aqui? E na primeira semana? E no primeiro mês? E assim por diante. Ele só estava interessado nos tópicos e não nas respostas.

Chegou a uma lista de cerca de mil tópicos e criou páginas no wiki, interligadas, de modo que as pessoas pudessem navegar, e não adicionou conteúdo. Deixou que os usuários o fizessem. A cada vez que recebia um e-mail relacionado, pedia que a pessoa o publicasse no wiki, sem se preocupar com o visual ou com links. Ele próprio, depois, cuidaria disso. Ao longo do tempo, o wiki passou a ser a primeira fonte de consulta para respostas a qualquer questão na empresa. Tornou-se um depósito de conhecimento dinâmico para toda a organização. 

Alexandra Delfino de Sousa, administradora de empresas e diretora da Palavra-Mestra.

HSM Online

Disponível em: http://bit.ly/8X8yVe

____________________________

Referências Bibliográficas

MCAFEE, A. P. Enterprise 2.0 – new collaborative tools for your organization’s toughest challenges. Boston: Harvard Business Press, 2009.

MCAFEE, A. P. “Enterprise 2.0: the dawn of emergent collaboration”. MIT Sloan Management Review. 1º abr. 2006. Disponível online. Acesso em 15 mar. 2010.

YOUNG, N. “Full Interview: Andrew McAfee on Enterprise 2.0”. Spark, 28 jan. 2010, podcast. Disponível online. Acesso em 15 mar. 2010.

Anúncios

27/09/2011 Posted by | Ideias Corporativas | , , , , , | Deixe um comentário

DESENVOLVENDO SEU PLANO DE MARKETING NA WEB 2.0 – AS FERRAMENTAS

Há ainda outras ferramentas que podem encurtar o relacionamento e a interatividade  com seu consumidor. Você mostra para ele (consumidor) e também para o mercado, que além de agregar valor você também expõe liderança de pensamento.

Eis algumas ferramentas:

White Papers – tipicamente discutem uma posição específica ou solução para um problema. São poderosas ferramentas de marketing usadas para ajudar os responsáveis por decisões-chave e influenciadores a justificar implementação de soluções.

Podcasts – são uma série contínua de downloads de áudio, que são muito populares como conteúdo de liderança de pensamento em alguns mercados. Algumas pessoas simplesmente preferem áudio e, se for assim com seus clientes, então um podcast de sua autoria pode ser um bom negocio.

E-books – este são cada vez mais usados por profissinais de marketing como uma forma divertida e criativa de levar informação útil aos consumidores. Trata-se basicamente de um documento PDF que identifica um problema de mercado e fornece uma solução.

Newsletters via e-mail – tem sido usadas há tanto tempo quanto o email, mas ainda conservam tremendo valor como forma de divulgar uma série regular de conteúdos de liderança de pensamento. Considere usar um tipo de diferente de newsletter via email, em que não seja focado nos produtos e serviços, mas sim em resolver os problemas do cliente uma vez por mês.

Webinars – são seminários online que podem incluir áudio, vídeo ou imagens gráficas (tipicamente em forma de slides de Power Point) e são usados com freqüência por empresas de tecnologia como briefing sobre um problema específico que a tecnologia pode solucionar.

Wikis – são iniciados na forma de conteúdo de liderança de pensamento por organizações que desejam ser percebidas como importantes players em um determinado mercado. Voce pode usar um wiki para chegar ao publico que você deseja atingir e ajudá-lo a organizar o conteúdo.

Videocontent, vodcast e vlogs – (três nomes, uma mesma mídia) são vídeos atualizados regularmente que oferecem uma oportunidade poderosa de demonstrar sua liderança de pensamento, tendo em vista maior familiaridade das pessoas com vídeo.

São essas as opções de ferramentas que considero mais importantes para o Marketing na Web 2.0.

Um bom plano, começa com um bom planejamento. Um bom planejamento, possui objetivos claros, foco e metas factíveis. Na Web 2.0 o foco é o cliente e não o produto. Relacionamento e interatividade com o consumidor é o segredo de ouro.

Entendendo seu público-alvo através da linguagem que ele fala, as ferramentas que usa e os  os hábitos de navegação, você pensa e age como ele. Você entende o que o leva a tomar determinada decisão de compra.

Com as ferramentas certas de interação, o conteúdo que gera valor e atende às expectativas de seu consumidor, você fideliza e se aproxima do seu cliente. Cumpre suas metas organizacionais, gera valor e riquezas para a empresa.

Fico por aqui com o sentimento de ter ajudado na missão de clarear seus horizontes de ação para o seu próximo plano de Marketing.

Um abraço!

Comente!

24/04/2010 Posted by | Marketing, Web 2.0 | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário